Horário: Todos os dias. Das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 18h00

Conhecer Conservar Valorizar | 10 anos

10 Anos | Conhecer Conservar Valorizar

Nas reservas do museu habitam memórias…

Motivado pela possibilidade de resgatar a memória desses objetos menos conhecidos ou esquecidos das coleções do museu, dando-lhes novas leituras e contextos, de modo a promover a sua valorização e simultaneamente enriquecer o olhar e o conhecimento, o Museu de Lamego iniciou em 2011 o projeto Conhecer, Conservar, Valorizar.

Assente num modelo de gestão de coleções participativo, por meio de uma campanha de fundraising, que põe em relevo a relação do público com o museu e as suas coleções, o projeto de investigação, de conservação e restauro e de mediação, completa este ano 10 anos de existência.

Durante 10 semanas, sempre à quarta-feira, passamos em revista o que têm sido estes 10 anos de Conhecer, Conservar, Valorizar, dando destaque às obras de arte intervencionadas, à investigação produzida, aos mecenas, às publicações e às exposições e eventos realizados.

SEMANA 1/10

África é o título de uma gravura muito rara de Conrad Lauwers editada em Paris por Pierre Landry e sucessores (1679-1720), e também da primeira peça intervencionada no âmbito do projeto Conhecer, Conservar, Valorizar.

África

Conrad Lauwers (1632-1685), a partir de Louis Licherie de Baurie (1629-1685), editada por François Landry e sucessores (1688-1720)

Paris, 1709-1720

Gravura retocada a água-forte

Proveniente do antigo Paço Episcopal de Lamego

Inv. ML 6016

Para mais informação, clique aqui.

Antes do tratamento

Depois do tratamento

INVESTIGAÇÃO

Alexandra Falcão (Museu de Lamego); Frédéric Jiméno (Universidade de Paris, Panthéon – Sorbonne)

CONSERVAÇÃO E RESTAURO

Mafalda Veleda

MECENAS

Anónimos

PUBLICAÇÕES ONLINE

Cadernos Conhecer, Conservar, Valorizar – 1  

Revista Vox Musei – Museus, Arte e Património 1

VÍDEOS

Frédéric Jiméno

Mafalda Veleda

PRÉMIO

APOM 2012 – Melhor Intervenção de Conservação e Restauro

SEMANA 2/10

Quo Vadis?

O Encontro de São Pedro com Jesus, numa pintura “esquecida”, que afinal nos remete para melhor conhecermos a catedral de Lamego em meados do século XVI, os seus artistas e mecenas.

 

Quo Vadis?

Pintor desconhecido, séc. XVI

Pintura a óleo sobre madeira

Proveniente da (desaparecida) capela de São Pedro da catedral de Lamego

Inv. ML 19

Para mais informação, clique aqui.

Antes do tratamento 

Depois do tratamento

INVESTIGAÇÃO

Alexandra Falcão (Museu de Lamego)

CONSERVAÇÃO E RESTAURO

Carlos Mota (Museu do Douro), Ana Brito e Rita Veiga (PortoRestauro) e Laboratório Hércules

MECENAS

Anónimos, Six Senses e Sogrape/Grão Vasco

PUBLICAÇÃO ONLINE

Cadernos Conhecer, Conservar, Valorizar – 2

VÍDEO

Quo vadis?

PRÉMIO

APOM 2018 – Melhor Intervenção de Conservação e Restauro

SEMANA 3/10

Cristo atado à coluna e Flagelação de Cristo

O resgate de duas peças-chave para a compreensão do programa decorativo da primitiva igreja da Misericórdia de Lamego.

 

Cristo atado à coluna

António Leitão

1565

Óleo sobre madeira de castanho

Proveniente do retábulo-mor da igreja da Misericórdia

Inv. ML 77

Para mais informação, clique aqui.

 

Flagelação de Cristo

António Leitão

1565

Óleo sobre madeira de castanho

Proveniente do retábulo-mor da igreja da Misericórdia

Inv. ML 78

Para mais informação, clique aqui.

Antes do tratamento

Depois do tratamento

Antes do tratamento

Depois do tratamento

INVESTIGAÇÃO

Beatriz Albuquerque

CONSERVAÇÃO E RESTAURO

Rosa Vouga

MECENAS

Anónimos

PUBLICAÇÃO ONLINE

Cadernos Conhecer, Conservar, Valorizar – 5

SEMANA 4/10

Duas “velhas” esculturas que brilharam na passagem dos 500 anos da fundação da Misericórdia de Lamego.

 

Cristo atado à coluna e Ecce Homo

João António (escultor), António Leitão (pintor), 1567-1570

Madeira policromada

Provenientes da primitiva igreja da Misericórdia, Lamego

Inv. ML 1619 e 1618

Para mais informação, clique aqui.

Antes do tratamento

Depois do tratamento

INVESTIGAÇÃO

Beatriz Albuquerque, Helena Lemos

CONSERVAÇÃO E RESTAURO

PortoRestauro

MECENAS

Anónimos, Santa Casa da Misericórdia de Lamego

PUBLICAÇÃO ONLINE

Cadernos Conhecer, Conservar, Valorizar – 5

SEMANA 5/10

Virgem do Ó

Ó! Que espanto ficou uma das mais emblemáticas esculturas do gótico português (e talvez aquela que mais emociona os nossos visitantes)

 

Virgem do Ó

Mestre Pero de Bonneil, 1330-1360

Calcário policromado

Proveniente da capela do hospital da Misericórdia de Lamego

Inv. ML 130

Para mais informação, clique aqui.

Virgem do Ó - antes do tratamento

Antes do tratamento

Depois do tratamento

INVESTIGAÇÃO

Carla Varela Fernandes (Universidade Nova de Lisboa)

CONSERVAÇÃO E RESTAURO

Ana Bidarra e Pedro Antunes – Cinábrio, Conservação e Restauro

MECENAS

Museu do Santuário de Fátima e Quinta da Pacheca (Cambres. Lamego)

PUBLICAÇÃO ONLINE

Cadernos Conhecer, Conservar, Valorizar – 4

SEMANA 6/10

Santa Bárbara

Aparição de Cristo a Maria Madalena (Noli me tangere)

Santa Helena

Noli me tangere é uma expressão latina que significa “Não me toques”, que Cristo terá proferido na sua aparição a Maria Madalena, após a Ressurreição. Mesmo não trovejando, lembrámo-nos de Santa Bárbara e “tocámos” na capela de São João Batista com o objetivo de dar início ao tratamento integral do conjunto de c. 60 pinturas que a decoram.

Já Santa Helena de Constantinopla é considerada a primeira arqueóloga e, por essa razão, padroeira dos arqueólogos. Não estranhamos por isso ter sido apadrinhada por um jovem arqueólogo de Lamego.

 

Aparição de Cristo a Maria Madalena

Autor desconhecido, séc. XVII

Pintura a óleo sobre tela

Proveniente do extinto Mosteiro das Chagas. Capela de São João Batista

Inv. 122/31

Para mais informação, clique aqui.

MECENAS: Miguel Ramalho e Teresa Henrique Ramalho

 

Santa Bárbara

Autor desconhecido, séc. XVII

Pintura a óleo sobre tela

Proveniente do extinto Mosteiro das Chagas. Capela de São João Batista

Inv. 122/36

Para mais informação, clique aqui.

MECENAS: Anónimos

 

Santa Helena

Autor desconhecido, sec. XVII

Pintura a óleo sobre tela

Proveniente do extinto Mosteiro das Chagas. Capela de São João Batista

Inv. 122/ 30

Para mais informação, clique aqui.

MECENAS: Tiago Araújo

Santa Bárbara Pintura antes do tratamento

Antes do tratamento

Santa Bárbara Pintura antes do tratamento

Depois do tratamento

Santa Helena pintura antes do tratamento

Antes do tratamento

Santa Helena pintura depois do tratamento

Depois do tratamento

Santa Helena pintura antes do tratamento

Antes do tratamento

Santa Helena pintura depois do tratamento

Depois do tratamento

INVESTIGAÇÃO

Em curso

CONSERVAÇÃO E RESTAURO

Beatriz Albuquerque

SEMANA 7/10

São Lucas

Uma peça-chave para melhor compreender as relações artísticas entre a diocese de Lamego e a Flandres, na 1.ª metade do século XVI.

Doado ao Museu de Lamego em 2020, por Manuel Antunes e Maria Zulmira Antunes, o estudo e tratamento de conservação e restauro do alto-relevo, figurando o São Lucas, de imediato se afigurou uma prioridade.

A ligação deste exemplar ao São Marcos, do Museu Nacional de Arte Antiga – e obtido o mecenato destinado à sua intervenção -, deu origem ao início de um projeto multidisciplinar de investigação, estudo e conservação e restauro, envolvendo diversas entidades.

 

São Lucas

Cornelis de Holanda

1510-1525

Madeira (nogueira) policromada

Proveniência: Igreja do Mosteiro de Santa Maria de Salzedas. Doação Manuel Antunes e Maria Zulmira Antunes

Inv. ML 8626

Para mais informação, clique aqui.

MECENATO

Luís Vasconcelos e Sousa & Amigos; anónimos

INVESTIGAÇÃO

Em curso (equipa multidisciplinar do Museu Nacional de Arte Antiga, Museu de Lamego e Faculdade de Letras da Universidade do Porto)

TRATAMENTO DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO

Em curso (equipa multidisciplinar do Museu Nacional de Arte Antiga, Laboratório José de Figueiredo e Universidade Católica do Porto).

SEMANA 8/10

Espaço “Conhecer, Conservar, Valorizar”

Em 2014, inaugurámos o espaço Conhecer, Conservar, Valorizar, no final do percurso da exposição permanente do museu, por forma a comunicar o projeto e de deixar o convite à participação dos visitantes na campanha de mecenato.

Desde então, a sala tem passado por várias transformações, de molde a refletir diferentes etapas do projeto e de dar forma à expressão da nossa gratidão pela participação dos nossos visitantes. Com efeito, nenhum visitante/mecenas sai do museu de mãos vazias.

SEMANA 9/10

Iniciativas de mediação cultural e educativa

Muito mais do que um projeto de fundraising, ao longo destes 10 anos Conhecer, Conservar, Valorizar tem sido um projeto de mediação cultural e educativa que pugnou sempre por uma programação coparticipada, envolvendo diversas parecerias com diversas instituições, associações e estabelecimentos de ensino.

«O Museu da Minha Escola» (2011)

Projeto levado a efeito com o Colégio da Imaculada Conceção, Lamego, com o apoio da Escola do Turismo e Hotelaria do Douro, premiado no âmbito do concurso escolar “A minha escola adota um museu”, promovido pelo extinto Instituto dos Museus e da Conservação.

Produção de réplicas em pastelaria (2012)

Numa iniciativa promovida pelo curso de pastelaria da Escola de Turismo e Hotelaria do Douro, foram produzidas réplicas em chocolate e massapão de duas obras inscritas no projeto de mecenato – o cruzeiro do Bom Despacho e a pintura Quo Vadis? -, com a finalidade de angariação de fundos através de um leilão.

«Palcos cruzados» (2012)

Para comemorar a Noite dos Museus teve lugar um grande evento, no qual o público foi programador e protagonista.

Participaram: Alexandre Sampaio (performance “Intimidades”), Art Dance – Escola de Dança de Roberto Sabença; Conservatório de Dança de Vila Real; Grupo de Jovens da Sé de Lamego e Professor Chasten.

«Doce Revolução» (2017)

Feira de doçaria no claustro da catedral de Lamego, organizada pela Escola de Turismo e Hotelaria do Douro, para celebrar o 25 de abril. O fim… a angariação de fundos a reverter para o projeto Conhecer, Conservar, Valorizar.

Jantares de mecenas (2017, 2018, 2019)

Iniciados em 2017, por ocasião do 100.º aniversário do museu, os jantares de mecenas foram organizados para apresentação pública das obras recuperadas ao abrigo do projeto CCV e como forma de incentivo ao mecenato.

Caminhada solidária (2019)

A Santa Casa da Misericórdia de Lamego foi, em 2019, a instituição convidada do museu para se associar ao projeto CCV. Nessa medida, no âmbito das comemorações do 500.º da sua fundação em Lamego, promoveu uma Caminhada Solidária, que reverteu inteiramente para a recuperação de duas esculturas provenientes da primitiva igreja da Misericórdia, que hoje integram a exposição permanente.